A Universidade de Oxford fez uma pesquisa comparando a relação entre comportamento agressivo em jovens e contato com jogos violentos. De acordo com a universidade não há relação entre as duas coisas.

O estudo avaliou 1004 adolescentes de 14 a 15 anos, e seus pais ou responsáveis, totalizando 2008 participantes. Os pesquisadores analisaram o conteúdo de vários jogos de acordo com suas classificações indicativas na Europa e nos Estados Unidos. Além disso, receberam relatos comportamentais dos responsáveis pelas crianças. O estudo inicialmente diz haver controvérsias contra a metodologia de GAM:

“Até o momento, o principal arcabouço teórico usado para estudar as ligações entre o envolvimento violento com o jogo e a agressão tem sido o modelo geral de agressão (GAM). Resumidamente, o GAM é uma teoria do aprendizado social apetitivo que propõe que a exposição repetida a mídias violentas aumenta a acessibilidade de pensamentos agressivos, o que por sua vez aumenta a probabilidade de esquemas cognitivos agressivos, emoções e comportamento. Algumas revisões e estudos recentes informada pelo relatório do GAM, consistente, embora modesto, apoio à ideia de que o jogo violento está ligado à agressão humana. Essa interpretação não é uniforme; outras análises da literatura conduzidas por Sherry e Ferguson fornecem evidências do enquadramento do GAM, e a ideia de que os jogos causam agressão mais amplamente, é incompleta, não evidenciada ou falha.”

Além disso, a universidade confirma que estudos anteriores sempre correlacionaram jogos à violência, e portanto, se torna difícil provar o contrário.

Nossas descobertas sugerem que o viés de pesquisadores podem ter influenciado estudos prévios, distorcendo nossa compreensão dos efeitos dos vídeo games.”

Aliás, o estudo comenta que: “De fato, [alguns] indivíduos agressivos gravitam em direção a jogos violentos e que os jogos violentos podem fomentar a agressão dos jogadores em estudos experimentais, não porque eles preparam esquemas cognitivos agressivos, mas sim que eles frustram a necessidade psicológica básica de competência.”

Por fim, os pesquisadores relatam que “um punhado de estudos pré-registrados testaram rigorosamente os vínculos entre o jogo violento e a agressão humana, e não detectam um efeito de breve exposição a jogos violentos de agressão no laboratório.”

De acordo com o estudo, jogos violentos poderiam ampliar formas de violência apenas na mentalidade de indivíduos psicologicamente instáveis que já eram violentos e não criá-las. Contudo, a Universidade afirma que novos estudos aprofundados são necessários.