De acordo com um anúncio da Riot Games, não se pode mais fazer comentários ou manifestações políticas durante as transmissões ao vivo do Mundial de LoL.

Seguindo o mesmo raciocínio da Blizzard, a desenvolvedora fez um pronunciamento vindo do chefe global de esports John Needham. Na carta, recomenda-se que casters e jogadores participantes do Mundial de League of Legends (LoL) não discutam temas políticos e sociais ao vivo. Conforme dito por ele, a intenção é “… manter suas transmissões focadas no jogo, no esporte e nos jogadores”. 

Além disso, na carta espera-se que o jogo una as pessoas e não o contrário.

Nossa decisão também reflete que temos funcionários e fãs em regiões em que houve o risco (ou ainda há) de agitação política ou social, incluindo lugares como Hong Kong. Nós acreditamos que temos a responsabilidade de fazer o nosso melhor para que pronunciamentos ou ações em nossas plataformas oficiais (intencionais ou não) não escalem possíveis situações sensíveis.

Recentemente, o pro player Chung “blitzchung” Ng Wai foi banido da Hearthstone Grandmasters pela Blizzard. Ele teria se manifestado ao vivo a favor do movimento social que pede a independência de Hong Kong, na China. Após o banimento, alguns fãs passaram a boicotar os jogos da empresa.